segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A história de Taisa e Suzana

O texto a seguir foi escrito pela amiga e leitora do blog Taisa Baroni. 

Agradecemos imensamente por sua contribuição na divulgação do amor, respeito e estudo da espiritualidade dos animais não-humanos e por compartilhar essa bela história conosco.

Para compartilhar sua história conosco, acesse: Escreva uma história!


Na manhã do dia 01/05/2011, minha amada e fiel companheira Suzana, uma Cocker Spaniel de 10 aninhos, partiu, ela sofria com tumores, que mesmo retirados teimavam em voltar, tornando sua saúde fraca e debilitada. Nos últimos dias ela já respirava com dificuldade e não se alimentava mais sozinha.  

Fiquei arrasada, inconformada, mesmo sendo espírita e sabendo que os animais têm alma, eu custava a acreditar que ela se foi, chorei durante a tarde toda, não conseguia aceitar o fato e nem controlar a falta que já sentia da minha pequena, fiquei desesperada, doía muito.

No dia seguinte, mais tranquila, pensei muito nela, em como estaria, onde estaria e se algum bom espírito a conduziu para sua nova morada, mesmo assim algumas vezes questionei mentalmente o fato de um dia encontrá-la outra vez.

Durante a noite, enquanto dormi, sonhei com minha cachorrinha, eu a vi linda, com os pelos longos e sedosos (como há tempos já não tinha), estava gordinha, abanando seu rabinho pra mim como sempre fazia ao me ver, usava uma atadura pós cirúrgica ao redor de seu corpinho (como as que usou quando removeu os tumores), estava em um local bem claro, presa com uma correntinha azul e tinha uma casinha branca ao seu lado. Eu a abracei com força e a peguei no colo, soltando a correntinha e dizendo  “vou te levar comigo, não quero te deixar aqui sozinha”, olhei para o lado e vi que tinham mais 2 cachorrinhos deitadinhos em casinha semelhantes, acariciei eles e comecei a ir embora, levando minha cachorrinha nos braços, mas logo que saímos daquele ambiente iluminado, ela começou a respirar com dificuldade, eu olhei pra ela e disse “não poderei te levar comigo” comecei a chorar muito com ela no colo...  acordei com meu despertador tocando.

Acordei aos prantos, mas aliviada, com uma sensação reconfortante, eu tinha visto minha amiguinha, vi onde ela estava, vi com riqueza de detalhes, pude sentir ela, até o toque pareceu muito real, nunca tinha vivido uma experiência tão forte, tenho certeza que estive com ela, sei onde ela esta, pude perceber que ela esta se recuperando da terrível doença, esta sendo cuidada e que não esta sozinha.

Me emocionei muito ao lembrar, pois ainda está muito recente. Não foi um sonho, eu estive com a minha eterna amada Suzana. Gostaria de sonhar com ela mais vezes e de um dia poder encontrar ela outra vez.

A história acima foi enviada ao blog no dia 05/05/2011! Muito obrigada querida Taisa! Grande abraço!


21 comentários:

  1. Respostas
    1. 599. À alma dos animais é dado escolher a espécie de animal em que encarne?
      “Não, pois que lhe falta livre-arbítrio.”
      600. Sobrevivendo ao corpo em que habitou, a alma do animal vem a achar-se,
      depois da morte, nem estado de erraticidade, como a do homem?
      “Fica numa espécie de erraticidade, pois que não mais se acha unida ao corpo, mas
      não é um Espírito errante. O Espírito errante é um ser que pensa e obra por sua livre
      vontade. De idêntica faculdade não dispõe o dos animais. A consciência de si mesmo é o
      que constitui o principal atributo do Espírito. O do animal, depois da morte, é classificado
      pelos Espíritos a quem incumbe essa tarefa e utilizado quase imediatamente. Não lhe é dado
      tempo de entrar em relação com outras criaturas.”

      Excluir
    2. Olá querido (a) amigo (a), obrigada por seu comentário.

      Você não colocou aqui sua opinião, mas diante deste comentário, gostaria, respeitosamente, de abordar.

      No mesmo livro em que você retirou estas citações, você poderá também estudar que os animais não-humanos possuem certo livre-arbítrio e, diante do mesmo livro e, hoje, da etologia (ciência que estuda o comportamento dos animais), os animais não-humanos possuem, certamente, vontade própria e inteligência. Provavelmente, você não conhece a história de um chimpanzé que aprendeu a se comunicar com os seres humanos através de sinais e nos ensinou muito. Se puder ler o livro que narra esta e muitas outras histórias, irá entender melhor o que escrevo aqui: Eu primata, por que somos, como somos (Frans de Waal).

      Muitos animais possuem a consciência de si mesmos, o que é, segundo o LE, o princiapl atributo do espírito....então...? Pode se concluir muita coisa, não é? E tirar um pouquinho deste nosso orgulho do nosso espírito.

      Em relação ao encarnarem quase imediatamente, muitos livros já abordaram sobre o assunto e, espíritas como somos, não deveríamos generalizar nada, pois sabemos que a vida de cada ser é única, o espírito é individual, portanto cada caso é um caso.

      Recomendo a leitura do livro Chico Xavier, Amigo dos Animais...um grande símbolo do Espiritismo no mundo, abordando sobre os animais, inclusive o homem.

      Um grande abraço, obrigada por sua participação.
      Fernanda

      Excluir
  2. adorei ler essa historia... acredito nela!! ;) fiquei emocionada e até chorei... obrigada por partilhar com a gente. Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom tê-la conosco, Moema!

      Grande abraço!
      Fernanda

      Excluir
  3. Nossa, q coisa mais linda!!! Chorei só de pensar em passar por isso na pele... tenho um amigo lindo tb... talvez o mais fiel de todos!! Talvez não... o mais fiel mesmo!!! Amo tanto esse meu filhote!! Choro só de pensar em um dia estar sem ele... ele tem 1 ano e meio... espero q isso ainda demore muitooooooo e muitooooooooooooo!!!!

    Que lindo o encontro que vc pôde ter com sua amiguinha!! Ela com certeza está sendo bem cuidada, bem próxima a Deus!!

    Abraço!!
    Tatiana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por compartilhar, Tatiana!

      É muito bom ter amigos para contar-nos histórias de amor!

      Grande abraço!
      Fernanda

      Excluir
  4. Olá meus amigos!
    Que a paz da energia positiva possa estar presente entre todos.
    Lindo esse relato, eu sei bem o que é isso.
    Fiquem na paz

    ResponderExcluir
  5. que historia linda!ela esta melhor agora!tenha CERTEZA DISSO.

    ResponderExcluir
  6. Vai levar vários comentários, então desculpa viu ?


    Eu passei por algo parecido. O nosso cachorrinho, um poodle, já idoso e com seus 13 anos veio a falecer em meados de agosto. Ele tinha edema pulmonar e o coração era maior que o esperado. Foram meses sofridos... De um abril tenebroso, no qual ele quase não sobrevive à primeira crise que tivera. Teve uma recuperação milagrosa, voltando para casa dois dias depois de ter sido internado. Até chegar a agosto... Sou médium, como a minha querida mãe, nas últimas semanas do mês foram sofridas demais. Eu sentia um aperto imenso no meu coração, uma angústia, sofrimento... Uns dias antes de ele falecer, eu acordei um pouco agoniada, com muita dor de cabeça. Até que um espírito se manifestou e disse que o que eu estava sentindo era decorrente do que o meu cachorrinho estava sofrendo. Lembro que chorei muito, muito mesmo e minutos após o espírito ir, eu me lembro do Fred me olhar nos olhos e eu cair no chão. Não sei o que acontecera naquele momento. Lembro que eu falava "Me ajude, me ajude". Minha mãe nem conseguia me levantar. Nesse momento ela viu que Fred me olhava e estava quietinho. Decidiram levá-lo para o hospital e chegando lá diagnosticaram que o edema tinha retornado. Mas não deram muitos detalhes e assim liberaram-no para voltar para casa. Ele passou sexta e sábado muito quieto. Lembro que no sábado eu fiquei em casa pra tomar conta dele e num momento, ele me olhou e eu senti uma vontade esmagadora de chorar. E chorei. Chorei muito. Cantei uma canção para ele - Watashi no Taiyou (que significa: Você é o meu Sol / Meu Sol, algo assim). No domingo, eu senti um cheiro muito forte de rosas brancas (ps.: não havia rosas brancas no local) e era tão inebriante que eu senti uma dor no peito, e chorei muito. Minha mãe ficou preocupada e disse ter sentido algo perto de mim durante o momento. Fomos para casa e chegando meu pai foi olhar nosso "branquinho". Aproveitei e fui tomar banho. Só ouvi minha irmã gritando. "Fred! Fred!" e eu corri do banheiro até onde ele estava. Fred estava tendo um infarto. Eu pedi pra minha irmã se vestir pra levá-lo ao hospital e fiquei segurando-o. Ela o pegou em seus braços e ele desfaleceu. Fez os principais procedimentos para tentar levá-lo com vida para o hospital. Soube que ele tinha voltado a si, no carro, mas partiu nos braços da minha irmã. No momento, eu não senti tristeza por ele ter partido. Senti um alívio por que ele já vinha sofrendo e muito por causa do edema que ia e voltava.

    ResponderExcluir
  7. -Continuação


    Eram remédios e remédios, que foram enfraquecendo-o. Lembro que eu só consegui chorar no dia seguinte, quando eu me dei conta de que ele já não estava mais entre nós. Lembro que eu não tinha conseguido me despedir, pois eu tinha esperança de vê-lo em casa conosco. Foi o meu primeiro e mais sincero amigo. Lembro que quando voltei da faculdade, senti um peso na cabeça, muito forte e pedi que minha mãe me ajudasse. Foi aí que um espírito se manifestou e me disse que "Ele tá bem agora." e eu perguntei se ele tinha ido sem sofrer e a resposta "Sim. Estou vendo-o agora. Todo branquinho, com o vento balançando suas orelhinhas, num campo todo verdinho. Ele tá feliz agora e estará sempre olhando vocês.". Saber que ele tinha ido em paz e estava bem foi um reconforto para o meu coração. Passaram-se uns dias e eu me lembro de ter acordado muito feliz. Eu tinha sonhado com Fred, que ele corria pelo campo, que viera até mim e sentado ao meu lado. Que eu estava num lugar muito bonito. Um campo verde imenso, céu azul... E eu senti que ele estava feliz. Senti que ele tinha vindo até mim, através do sonho, para se despedir, para que eu pudesse me despedir dele.

    É tudo tão recente, dói quando eu me lembro dele e o sentimento de saudade paira. Minha família está com um novo integrante, e ele chegou à nossa casa de forma inesperada. Foi dado para nós por ele não ter um lar onde morar. E coincidência (eu acho que não, que ele foi mandado por nosso querido e amado Fred) ou não, ele chegou no mesmo período em que nós obtivemos Fred: dezembro e perto do Natal. Minha irmã acha a mesma coisa. Que a vinda do nosso Logan não tenha sido só mero fato.
    Saudades eternas, Fred. Te amarei pra sempre. :')

    Att, Karen.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Karen! Muito obrigada por enviar-nos tão linda história!

      O Espiritismo é assim, história semelhantes acontecendo com diferentes pessoas em diferentes partes do mundo! Esta é a veracidade da doutrina!!

      Muito, muito obrigada por compartilhar!!

      Grande abraço!
      Fernanda

      Excluir
  8. Adorei as histórias, me emocionei e gostaria muito de poder encontrar meus amores que se foram. Em menos de seis meses perdi meu Pabby um vira lata que estava com cancer e não tinha mais o que fazer, ele foi um grande guerreiro, e o veterinário que cuidou dele também foi muito bom, mas o tumos já havia paralisado as patinhas traseiras ele não conseguia mais caminhar só chorava, e o tumos tomou conta de todo o abdomen dele já naõ tinha mais o que fazer, ele foi e depois de uns dois meses acho que nem isso, perdi meu poodle de apenas quatro meses filhote dos meu dois amores que estão comigo, não sabemos se foi veneno ou uma injeção que ele tomou para curar o papiloma que já tinha tomado toda a boca dele. Ficou internado mas não teve jeito, morreu num sábado, isso vai fazer dois meses, sinto falta dele até hoje, principalmente quando olho nos olhinhos lindos da mãe dele, são iguaizinhos. Gostaria muito um dia de poder reencontra-los, estou lendo o Evangelho dos Animais e aprendendo muito, isso me faz acreditar que um dia irei encontra-los.
    Amarei sempre muitos vocês Pabby, Veludo e a minha princesa que já faz três anos que morreu, mas ela é muito parecida com a minha Dalila, acho que é ela reencarnada, até no ciumes ela é igual.
    Grande abraço à todos.

    ResponderExcluir
  9. Querida Eloisa, como vai?

    Saiba que Sentir saudades daquele que foi nosso compaheiro fiel... é natural, entristecer-se... é natural, chorar... é natural; pensar no quão importante e bom foi tê-lo ao nosso lado, enquanto isto foi possível, e saber que a vida continua, o laço afetivo permanece, o amor se eterniza... é espiritual e sábio. É muito mais do que a aceitação, é a confirmação do amor que une todos os seres vivos e permanece vivo dentro de cada um.

    Tenha certeza disso! Gostaria muito de sugerir esse artigo: http://animaiseoespiritismo.blogspot.com/2010/12/animais-no-plano-espiritual.html. Espero que de alguma maneira ajude!

    Grande abraço, obrigada por compartilhar sua história conosco! Muito aprendemos!

    Fernanda

    ResponderExcluir
  10. Taisa, que bela historia, tem noites que oro e peço a Deus que me permita ficar só um pouquinho com minha flhota, de abraça, beijar,p/ matar um pouco a saudades, mas infelizmente ainda não tive a mesma sorte, eu agradeço a Deus pela oportunidade de ter filhotes tão bons como os que ele colocou na minha vida, espero um dia poder ficar c/ eles, um abraço

    ResponderExcluir
  11. Nossa chorei de verdade...que lindas histórias narradas aqui.Eu tenho dois anjos em casa mas uma tem paralisia e muitos problemas decorrentes dessa enfermidade.Já teve várias paradas respiratórias que eu tive que fazer os primeiros procedimentos e fico com uma dor no coração só de pensar que um dia eles vão ter que ir embora.Choro só de pensar nisso.Conheço a doutrina espírita mas é muito difícil a separação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nanci! Que amor que você nutre por estes amigos, parabéns!

      A separação sempre é difícil, mesmo para os espíritas, que sofrem tanto quanto qualquer outra pessoa, apenas sabem que a morte do corpo físico não é o fim.

      Desfrute dos momentos Nanci e acredite, eles, os animais não humanos, nunca estão desamparados!

      Grande abraço!
      Fernanda

      Excluir
  12. Obrigada por postar a minha história com a Suzana.
    Fiquei emocionada ao ler novamente e relembrar dela e do sonho que foi tão real. A saudade é muito grande.
    Que o meu e os demais relatos possam confortar, pelo menos um pouquinho, o coração de quem sente a falta de um animalzinho que partiu.
    Agradeço os comentários de todos!
    Parabéns pelo blog e parabéns a todos que amam e respeitam os animais e que principalmente acreditam que os laços que possuímos com eles estão além da nossa existência física e que nenhum deles esta desamparado.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós que agradecemos, Taisa!

      Muito obrigada por compartilhar conosco! Divulgar essas histórias é importante e só ajuda a causa animal!

      Grande abraço!

      Fernanda

      Excluir
  13. Ontem, dia 17 de janeiro de 2013, o meu irmãozinho felino, chamado Pulga, desencarnou, depois de 13 anos de uma vida cercada de carinho e muito amor. Amo-te meu irmão, e sinto muito a sua falta. Pulguinha, o nosso anjinho de 03 (três) patas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estejamos certos que o Pulguinha está bem e foi amparado pelos amigos espirituais!

      Estejamos em oração por ele!

      Grande abraço!

      Fernanda

      Excluir

Amigos, sejam bem-vindos! Ficamos muito felizes por receber suas mensagens!